Atelier de Camisa
Atelier de Camisa

Informação técnica

Como é realizada a confecção de uma camisa no Atelier de Camisa?

A camisa de homem, é uma das peças de vestuário de realização mais complexa.

Uma camisa de homem de qualidade requer cuidados particulares:
- na selecção dos materiais utilizados;
- no corte e na confecção dos seus diversos componentes.

Quais os materiais utilizados numa camisa?

Matéria Prima:

Cerca de 1,60 m de tecido de popeline ou flanela.  A qualidade do tecido utilizado  é determinante  para o nível de qualidade do produto final. 

Fios de tecidos:

Os fios são conjunto de fibras entrelaçadas, que formam um cilindro de diâmetros irregulares ao longo do seu comprimento. 

A classificação dos fios é estabelecida a partir do seu diâmetro. Este método ficou conhecido como "titulação" de fios. 

No sistema de titulação adoptado pelo Atelier de Camisa, quanto mais grosso e pesado for o fio, tanto menor será o título.   Sendo assim, os fios de título 30 são mais grossos que os fios de título 40 e estes mais grossos que os 50 e assim sucessivamente até atingirmos fios extremamente finos tais como os fios 120 a 170. 

Em regra, o título é antecedido de uma letra que identifica a sua composição: C para o algodão (cotton), L para o linho (linen), P para o polyester e E para o elastan.

 

Mas um fio pode ser construído com um ou mais filamentos. 

 

Se construído com um fio singelo, o título é representado por um único número, correspondente à sua espessura. Exemplos: fios C 40, E 110 ou P 40.

Se construído com dois ou mais fios retorcidos o título é seguido de uma barra (/) acompanhada pelo número de cabos que compõem o fio.  Ex: 30 / 2, 40 / 3.

 

Assim sendo, um tecido identificado no Atelier-online com teia: C 80/2 e trama: C 80/2 significa que está a utilizar fios de algodão na teia e na trama com dois filamentos retorcidos de fios oitenta,  enquanto um tecido identificado no Atelier-online com teia: C 170 / 2 e trama: C 170 / 2 significa que está a utilizar fios de algodão na teia e na trama com dois filamentos de fios retorcidos muito mais finos de título cento e setenta.

Ou ainda, um tecido identificado no Atelier-online com teia: C 40 e trama: P 40 significa que está a utilizar na teia um fio algodão singelo de título 40 e na trama um fio polyester singelo de título 40.

 

Salvo situações de tecidos com características especiais, de que são exemplo os tecidos de linho, a regra geral é a de que quanto mais fino fôr o fio melhor é a qualidade do tecido.  E quantos mais filamentos contiver um fio, mais densa é a sua textura. Os tecidos topo de gama construídos com fios 140 / 2 ou 170 / 2, apesar de serem muito finos, são compactos, sedosos e com excelente “cair”.  

Fios de tecidos
Os fios são conjunto de fibras entrelaçadas, que formam um cilindro de diâmetros irregulares ao longo do seu comprimento. 
A classificação dos fios é estabelecida a partir do seu diâmetro. Este método ficou conhecido como "titulação" de fios. 
No sistema de titulação adoptado pelo Atelier de Camisa, quanto mais grosso e pesado for o fio, tanto menor será o título.   Sendo assim, os fios de título 30 são mais grossos que os fios de título 40 e estes mais grossos que os 50 e assim sucessivamente até atingirmos fios extremamente finos tais como os fios 120 a 170. 
Em regra, o título é antecedido de uma letra que identifica a sua composição: C para o algodão (coton), L para o linho (linen), P para o polyester e E para o elastan.
Mas um fio pode ser construído com um ou mais filamentos. 
Se construído com um fio singelo, o título é representado por um único número, correspondente à sua espessura. Exemplos: fios C 40, E 110 ou P 40.
Se construído com dois ou mais fios retorcidos o título é seguido de uma barra (/) acompanhada pelo número de cabos que compõem o fio.  Ex: 30 / 2, 40 / 3.
Assim sendo, um tecido identificado no Atelier-online com teia: C 80/2 e trama: C 80/2 significa que está a utilizar fios de algodão na teia e na trama com dois filamentos retorcidos de fios oitenta,  enquanto um tecido identificado no Atelier-online com teia: C 170 / 2 e trama: C 170 / 2 significa que está a utilizar fios de algodão na teia e na trama com dois filamentos de fios retorcidos muito mais finos de título cento e setenta.
Ou ainda, um tecido identificado no Atelier-online com teia: C 40 e trama: P 40 significa que está a utilizar na teia um fio polyester singelo de título 40 e na trama um fio algodão singelo de título 40.
Salvo situações de tecidos com características especiais, de que são exemplo os tecidos de linho, a regra geral é a de que quanto mais fino fôr o fio melhor é a qualidade do tecido.  E quantos mais filamentos contiver um fio, mais densa é a sua textura. Os tecidos topo de gama construídos com fios 140 / 2 ou 170 / 2, apesar de serem muito finos, são compactos, sedosos e com excelente “cair”. 

Materiais acessórios:

 

Entretelas para reforço do colarinho e punhos

Uma boa entretela deverá ser consistente e flexível, tendo aplicada, numa das faces, uma camada bem distribuída de pigmentos de cola de qualidade. Só nessas condições, associadas a uma temperatura de termocolagem ajustada à natureza do tecido( aprox. 150 º), é possível assegurar uma aderência uniforme da entretela ao tecido. E só assim é garantida a estabilidade do colarinho e dos punhos após sucessivas lavagens, mantendo-lhes, durante todo o tempo, o conforto desejável.

 


 

Linhas

A confecção duma camisa de qualidade exige a utilização de uma linha adequada às características do tecido. A linha deve ter um filamento exterior de algodão, a revestir um fio interior contínuo de polyester, para maior resistência à lavagem. Deve ter a espessura correcta e uma cor o mais próxima possível da cor de fundo do tecido.

O Atelier de Camisa só utiliza entretelas e linhas com estas características.

 

Botões

Basicamente, existem duas qualidades de botões:
- de madrepérola, extraída da parte nacarada das conchas de alguns moluscos, em particular das ostras.
- de matéria plástica (massa), nalguns casos uma excelente imitação de madrepérola.

O Atelier de Camisa utiliza botões de massa de primeira qualidade em todas as camisas. Pode optar por botões de madrepérola assinalando-o na "Personalização" da sua camisa durante a encomenda.

 

Quais as fases de produção de uma camisa?

Corte:

São previamente desenhados em papel ou cartão adequados - plano de corte - os diversos componentes da camisa(colarinho, punhos, mangas, frentes e costas).

Na produção em série, sobrepõem-se múltiplas folhas de tecido numa mesa de dimensões apropriadas, coloca-se o plano de corte sobre a folha superior e, com a utilização duma serra mecânica, cortam-se, em simultâneo,  todas as folhas estendidas.

Nas camisas por medida, são estendidas na mesa para corte manual à tesoura, apenas as folhas de tecido destinadas a um único cliente. Esta prática permite ajustar as medidas de cada componente da camisa à estatura de cada cliente.

Termocolagem:

Esta operação consiste em aplicar as entretelas previamente cortadas, ao tecido a utilizar posteriormente na confecção do colarinho e punhos, com o recurso a uma prensa regulada a uma temperatura aproximada de 150 º C.

Confecção:

Esta operação tem 3 fases distintas:

Preparação: consiste na confecção dos colarinhos e punhos da camisa. É ainda nesta fase que, entre outras pequenas operações, é pregado o bolso, são costuradas as carcelas e aplicadas as etiquetas.
Montagem: terminada a preparação, é nesta fase que se ligam todos os componentes individualizados da camisa, através de diversas operações de costura.
Acabamento: fase terminal da confecção em que são caseadas as carcelas, aplicados os botões e se procede a uma revista de controlo a todos os componentes da camisa. Após estas operações, a camisa está pronta a ser engomada (passada), dobrada e embalada.

Conceitos de Tecelagem

A Tecelagem é a operação que realiza o cruzamento ortogonal dos dois sistemas de fios – teia e trama - de modo a produzir um tecido e realiza-se em máquinas denominadas por teares ou, mais modernamente, por máquinas de tecer. Para a formação de um tecido será necessário efectuar o cruzamento dos fios de teia com os fios de trama. Para isso, e uma vez que a teia é previamente preparada com a totalidade dos fios e o comprimento necessário à produção da quantidade desejada de tecido, só existe uma solução para se realizar o respectivo cruzamento dos dois sistemas de fios: a divisão dos fios de teia em dois planos diferentes, de forma a criar a possibilidade de se inserir um fio de trama entre eles. O diagrama a seguir representado mostra todos os elementos constituintes de um tear necessários para se produzir um tecido.

Tecelagem

Nele podemos constatar que todos os fios de teia (2) necessários para a construção de um tecido irão ser previamente preparados e enrolados no órgão de teia (1).
Cada fio de teia é então introduzido num olhal de um liço (4) que está colocado num suporte que tem a função de dividir os fios de teia em dois planos e que se denominam por quadros de liços (3).

O espaço assim criado entre as duas “folhas” de fios de teia é, normalmente, conhecido por CALA.
Para efectuar a abertura da cala e a inserção da trama, de modo a realizar o debuxo pretendido, os teares apresentam-se equipados com sistemas que actuam no movimento dos quadros dos liços do tear, onde são colocados os fios de teia numa determinada ordem.

Depois de aberta a cala, efectua-se a inserção de um fio de trama (6) no seu interior.
Após a inserção da trama, os fios de teia poderão ou não ser movimentados para uma posição intermédia, de modo a efectuar-se a colocação da trama inserida no interior do tecido (7).
Esta introdução do fio de trama no tecido denomina-se por batimento da trama e é executado pelo pente do tear (5). Após a realização do batimento da trama, os fios de teia tornam a formar uma nova cala, repetindo-se o ciclo, ou seja, todos os passos anteriormente descritos.                                                                                                                                                                            O tecido à medida que vai ser produzido vai sendo enrolado num elemento situado normalmente à frente do tear e denominado por órgão do tecido (8).


InícioInício

Carrinho  

(Vazio)

Bem-vindo, Entrar

Loja Online Voto Confiança